30 Seconds to Mars faz SP pular e suar em show apoteótico

[alert type=”info”] Fotos exclusivas, gentilmente cedidas por Rafael Koch Rossi e Midiorama[/alert]

15556791755_106742ea62_oA recepção calorosa e as altas temperaturas (todo mundo saiu de lá ensopado) foram a tônica do show do 30 Seconds do Mars, nesta quinta-feira (16), na capital paulista. “Que calor”, exclamou o frontman Jared Leto. “Bom estar de volta a São Paulo. (…) Parece que o ar-condicionado quebrou”, ironizou, pedindo para a produção levar mais água para o pessoal que se espremia na barricada, que divide o fosso em frente ao palco e o público.

Por volta das 21h10, Jared subiu ao palco do Espaço das Américas como um Deus: túnica branca, coroa dourada, calça colada e óculos escuros. As primeiras palavras que trocou com o público, foram: “vamos pular tão alto, para que possamos tocar o teto”. Mas a frase que levou a galera ao delírio foi mesmo a dele se derretendo (literalmente): “eu amo vocês”, em inglês.

Logo na primeira parte do show, já havia tocado as mais conhecidas, como “This is War” e “Kings & Queens”. Eles mudaram o setlist (que você vê ao final do post) frente aos shows de outras capitais da América Latina. Ainda rolou um comentário do vocalista: “como vocês estão empolgados, vamos tocar músicas que não apresentamos há muito tempo. Parece que foi em outra era”.

Nessa etapa da turnê Love Lust Faith + Dreams pelo país, eles colocam todas as fórmulas já batidas em prática: chuva de papel picado, bandeiras com o símbolo da banda tremulando na plateia, solo de bateria, chamar fã para o palco (ou um monte, ao final) para definir se um lado canta melhor que o outro, balões gigantes e coloridos jogados sobre a plateia (saudades Coldplay!) para criar um efeito visual hipnotizante, além do cantor, guitarrista e ator desfilando com a bandeira do Brasil para lá e para cá. Ah, sem contar o momento acústico em que ele aceitava pedidos musicais dos fãs. Venceu “Hurricane”.

Divulgação/Midiorama
Divulgação/Midiorama

Para quem é fã, o show foi permeado de simbolismos enigmáticos. O triângulo com um corte (estampado nas camisetas, bandeiras, colares) era feito com as mãos, e elevado ao ar para que Jared pudesse reconhecer seus seguidores. Em outro momento, o vocalista foi quem juntou os dois dedos indicadores, formando uma espécie de 11. Os fãs disseram que o símbolo significa força.

A gritaria era generalizada quando o vocalista resolvia levantar a túnica e mostrar a barriga chapada. Lá pra décima música, ele voltou a reclamar do calor e ficou sem camisa. Mas as fãs também se empolgavam quando o baterista e irmão de Jared, Shannon Leto, aparecia mais à frente ou quando ele foi tocar “Convergence” ao violão, na passarela que estendia o palco.

14936610213_37b7074c62_o

Nas diversas interações com os fãs, ele disse que queria gravar um vídeo para mostrar a empolgação dos brasileiros. “Instagram ou Snapchat”, perguntou, e os fãs escolheram a primeira. Jared disse que adorava nosso açaí, e questionou se era Brasil com a letra Z ou S. Com a resposta em português, brincou: “que se danem os americanos”.

Ao falar que gosta muito de vir ao Brasil se apresentar, lembrou da última passagem pelo Rock in Rio, em setembro de 2013. Sabendo que haverá uma nova edição do festival no ano que vem, não se acanhou: “acho que vocês deveriam fazer uma espécie de petição online para que a gente volte”.

14936394433_437b699c5f_h
Midiorama/Divulgação

[hr]

Meet & Greet

Comercializada pela loja de merchan durante o show, uma camiseta oficial da banda (que custava R$ 100) dava direito ao fã permanecer no pós-show e conhecer a banda. Mas antes do show eles já haviam atendido um número considerável de admiradores. Inclusive, eles estavam no palco, no encerramento apoteótico: imagine dezenas de fãs pulando… Pois é!

Fã-mirim

Na Pista Premium, conheci a pequena Carol – fã da banda –, de 9 anos, que veio de Curitiba só para o show. Ela estava cantando todas as músicas. Nos ombros do pai, Jared a avistou, interagiu, mandou beijo. Minutos depois, uma produtora veio atrás dela, e forneceu acesso ao M&G pós-show. Perguntei se situações como esta eram comuns, e ela disse que sim. Saí fã.

[hr]

Thirty Seconds to Mars Setlist Espaço das Américas, São Paulo, Brazil 2014, Love Lust Faith + Dreams

One thought on “30 Seconds to Mars faz SP pular e suar em show apoteótico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *