Após show um tanto caliente, cariocas querem mais Ricky Martin

Ricky Martin apresentou o segundo dos três shows da sua turnê “M.A.S. – Música, Alma e Sexo” em terras tupiniquins, no último sábado (27), no bem estruturado Citibank Hall, no Rio de Janeiro. Em uma noite recheada de erotismo e sensualidade, o cantor porto-riquenho mostrou que está em fase liberta e bastante confortável com a sua ainda recente saída do armário.

O show foi repleto de referências à sua homossexualidade. Do vídeo passado nos telões logo ao apagar das luzes à sua última troca de roupa, em que vestia uma blusa com os dizeres “You = Me”. O clipe mostrava o cantor acorrentado, tentando lutar contra a força que o mantinha preso, quando ele consegue se libertar é que as luzes se acendem e o público gritava incessantemente. Lá estava o chico latino.

De balzaquianas solteironas a casais (hetero ou homossexuais) apaixonados, todos queriam um pedacinho de Ricky Martin. “Hoje eu vou deixar a minha alma aqui para vocês”, disse o galã porto-riquenho ainda no início do seu setlist. A resposta ouvida dentro da platéia foi: “E o corpo, meu bem? Deixa aqui, deixa”.

Apesar de Vuelve ter sido cantada em coro por boa parte do público, podendo ser considerada a música mais bonita da noite, os cariocas estavam lá para dançar. Não importa a idade, sexo ou orientação sexual, todos queriam mostrar também um pouquinho do seu remelexo dos quadris. Das clássicas “Livin’ La Vida Loca” e “She Bangs” às latiníssimas La Bomba” e “Pegate”.

O remelexo logo tomou um rumo mais quente. Com direito a dançarinas em cinta liga e simulações de orgia com seus parceiros de palco (um beijinho aqui, uma bela pegada acolá), e no fim, todos estavam torcendo para que sobrasse um pouquinho daquele sex appeal para algum lugar além do palco. Os sorrisinhos no canto da boca entregavam os mais inusitados pensamentos que as imaginações férteis estavam despertando.

O clima começou a aliviar com “Por Arriba Por Abajo”, que antecedeu o ponto mais alto da noite, a famosa música que embalou a Copa do Mundo de 1998, “La Copa de la Vida (Cup Of Life)”. Todos de pé, quadril balançando, bolas amarelas ao alto e a cantoria rolando solta na ponta da língua. O show estava feito. Para o encore ficou reservado “The Best Thing About Me Is You”, seguida do bis de Maria.

Ricky Martin mostrou que está na sua grande fase. Fôlego de um iniciante somado a sua larga experiência técnica resulta em uma combinação que funciona. “Até a próxima”, ele disse. E a gente vai querer ver.

Confira as fotos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *