Com participação de Gretchen, Katy Perry arrisca no português e cala ‘fora Temer’ em show de SP

Com um vocal mais potente e menos ofegante, Katy Perry apresentou show da turnê “Witness”, neste sábado (17.03), no Allianz Parque, em São Paulo. O concerto – que durou cerca de 2 horas – teve direito à performance da rainha do rebolado, Gretchen, que coreografou trecho de “Swish Swish” (ela é a estrela do lyric video ao lado do grupo baiano Fit Dance, lançado mundialmente pela cantora como single no ano passado). Apesar das já conhecidas parafernálias pirotécnicas, diferentes trocas de roupa e objetos cênicos gigantes, a cantora surpreendeu ao tentar falar português a todo o momento com a ajuda de um ponto eletrônico.

Uma publicação compartilhada por Gretchenoficial (@mariagretchen) em Além de “morta linda”, que ela fala sempre, inclusive nas redes sociais, foi apresentada a outra frase conhecida dos brasileiros: “miga sua loca”. No momento que a fã Victoria subiu ao palco, a convite da americana, a multidão que lotava o estádio puxou um coro de “Fora Temer” – fato que a assustou. Ela disse que não estava entendendo, a fã traduziu, Katy pediu para todos se calarem e disparou uma mensagem. “Quietinhos”, disse Katy em português depois de perguntar se “cala a boca” era muito rude. Conhecida por ter apoiado abertamente a candidata republicana Hillary Clinton, vencida pelo republicano Donald Trump nas eleições à presidência dos EUA, em 2016, comentou: “a primeira coisa que vocês devem fazer é olhar para si mesmos. A mudança começa em vocês. Tudo o que precisamos é de amor”.

Uma publicação compartilhada por the gr8 victoria (@spaceyvicky) em Se o momento mais aguardado da noite era a performance de Gretchen, a brasileira não decepcionou. Quando começaram as batidas de “Swich”, o estádio inteiro começou a gritar pelo seu nome. Talvez por emoção, ela não falou nada. Entrou muda, saiu calada, abraçou Katy, foi abraçada…. Quando interagiu com Katy, foi tentando ensinar um passinho de remexer o derrirèe e também em um bate-bumbum, que quase derrubou Katy. No Instagram, neste domingo (18.03), comentou: “essa alegria estampada no meu rosto é resultado de toda uma jornada de esforço, sacrifícios, luta, determinação, erros e acertos, sorrisos, solidão, lágrimas e muita força de vontade. Obrigada, Deus”.

O show seguiu o ritual pré-definido com espaço para todos os álbuns (“One Of The Boys”, “Teenage Dream”, “PRISM”, com destaque para o último, “Witness”). Ela só esqueceu seu atual single, Hey Hey Hey, e fizeram falta, sim, “Waking up in Vegas” e “Thinking of You”(este foi o momento mais emocionante na última tour). Nos telões em alta definição, muita ode à era New Wave, dos videogames e multicolorismos e os figurinos estavam impecáveis (com destaque para a primeira roupa que abre o show, uma dourada, que ela parece um cavaleiro do zodíaco de ouro).

De diferente, incluiu “Unconditionally” no setlist, música que não vai entrar em nenhuma outra apresentação da América do Sul, segundo ela. Disse que era um presente para os brasileiros, que são fãs tão importantes na vida dela. Em outro momento do show, antes de “Wide Awake”, falou que o Brasil é muito importante para ela e que conseguia sentir o coração dos fãs. E falou “eu te amo” repetidas vezes.

Se nos shows anteriores, 2011 e 2015, Katy deu mais atenção às roupas e palcos com muitos detalhes, na apresentação deste sábado a voz dela também foi destaque. Ela correu, pulou, se divertiu e emocionou, mas não se viu sinal de despreparo na sustentação vocal ou notas que ela não conseguia alcançar como anteriormente. A voz entrou sim como quesito importante, ainda que em algumas músicas possamos ter sentido o auxílio de uma base pré-gravada (não estou falando que ela fez playback a música toda, mas o coro de fundo ajuda a sustentar a voz), como em “Power” – veja o vídeo desse que é um dos momentos mais delicados da noite, antecedido por uma fala de empoderamento.

Se logo nas primeiras músicas há chuva de papel picado e show pirotécnico, você questiona: o que está por vir. Se você nao gosta da musicalidade de Katy, não tem problema. Só deve admitir que ela tem uma das mais belas estruturas de palco dessa nova geração. A começar pelo telão em formato de olho (em referência à Witness, nome do mais recente álbum e da turnê, que significa testemunha em tradução livre), passando pela extensão do palco, cuja passarela recebe uma mão gigante que se movimenta (abre e fecha os dedos): no encerramento de “Firework”, Katy surge divina para arrematar a apresentação.

Depois dos shows de Porto Alegre na ultima quarta (14.03) e SP, ela encerra a tour no Brasil com show neste domingo (18.03), na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro. O show de abertura é de Bebe Rexha, dona do hit “I Got YOu”, que no Brasil ganhou uma versão tecnobrega chamada de “Só Dá Tu”. E não é que a cantora aprovou e tá cantando o refrão em português? Apenas hilário…



Fotos: Stephan Solon/Divulgação (Move Concerts)

Talvez você também goste...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *