Damien Rice leva público ao delírio com show épico de um homem só

Damien Rice 04

Fotos de Tatiana Otaka exclusivas para o Aos Cubos

Quem conhece o irlandês Damien Rice apenas pelo ultra-hit “The Blower’s Daughter” poderia imaginar que uma apresentação ao vivo do rapaz fosse majoritariamente romântica. Longe disso. Apesar do número de casais aproveitando o show que Damien fez no Cine Joia na quinta (22), seu complexo repertório é muito mais sobre o inferno que os relacionamentos provocam do que seus momentos felizes.

O irlandês dispensa uma banda pra reproduzir os seus instrumentais muitas vezes intrincados, que passam longe da fórmula típica de voz e violão e às vezes o aproxima de bandas como os islandeses do Sigur Rós. O fato de Damien ter encontrado sua recente redenção na Islândia não deve ser coincidência. Acompanhado apenas de seu violão com pedais de loop e distorção e alguns instrumentos coadjuvantes, Damien enfrentou sozinho uma batalha que já havia ganhado no momento que entrou no palco, devido a comoção do público e a quantidade de gritos (quase todos femininos) que ecoavam no Cine Joia.

01

Em diversas músicas, como na épica “9 Crimes” logo no começo do show, Damien utiliza os pedais e luzes pra criar uma atmosfera cada vez mais apocalíptica e sufocante, que é alimentada pela sua performance visceral e extremamente honesta, que vai muito além da intensidade encontrada nos discos. Vestindo suspensório e parecendo ter acabado de sair de algum lugar do interior da Irlanda, essas evoluções musicais incríveis provam que Damien Rice é muito mais um cantor de rua turbinado do que um artista romântico típico. Impossível não lembrar do filme “Once”, cujo protagonista Glen Hansard já se apresentou diversas vezes com Damien.

Damien Rice 01

Mas tamanha performance não teria tanta força se não fosse a qualidade das músicas de Damien. Mesmo despidas até o esqueleto, músicas como “Elephant”, “Cannonball”, “Volcano” e a própria “The Blower’s Daughter” são exemplos ótimos de músicas pop impecáveis. Com letras tão cruas e depoimentos tão “humanos” como o longo discurso de Damien antes de “The Professor” sobre como ter muito esperma faz dele um cara que parte muitos corações (sim), ficamos diante de um performer excelente mas que nunca tenta parecer mais que uma pessoa comum. Aí fica impossível não se identificar (e se apaixonar).

Damien Rice 06

A primeira parte do show terminou com “It Takes A Lot To Know a Man”, único momento em que Damien usou a bateria enquanto todas as camadas que havia gravado durante a música ecoavam de modo monstruoso pra um público incrédulo com o tamanho do “barulho” que uma pessoa só havia provocado. E o bis se encerrou com a famigerada “The Blower’s Daughter” onde Damien pediu para cantar sozinho – depois de ser acompanhado de modo ininterrupto pelo público desde a primeira música – talvez numa tentativa de se reapropriar da canção e fazer os ouvintes prestarem atenção no seu caráter trágico depois dela ter sido tão dissecada pela cultura pop (Ana Carolina, estou falando com você).

Damien pode ficar tranquilo, pois seus mega hits podem ser consumidos pela cultura pop mas ele tem força suficiente pra continuar apresentando sua música com uma honestidade rara na indústria.

Talvez você também goste...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *