The Drums mostra a que veio, mas problemas no som atrapalham

DE SÃO PAULO

A minha maior preocupação em relação ao show do The Drums que aconteceu nessa quinta (31) em São Paulo era saber se a banda conseguiria transpor o clima “radinho de pilha” do seu disco de estreia para o palco. O fato de a banda ter uma carreira tão pequena (o disco homônimo foi lançado há menos de um ano) era outro motivo de preocupação que eles felizmente enterraram: o show foi competente, enérgico, com um repertório excelente (apesar de só terem um disco e um EP) e uma performance memorável do vocalista Jonathan Pierce.

Já o clima “radinho de pilha” ficou pra uma próxima. Problemas no som marcaram praticamente todo o show e restou a dúvida se normalmente a banda consegue emular ao vivo a mesma “fidelidade oitentista” que conseguiram em estúdio e fizeram com que a imprensa musical inglesa e caras como o Morrissey (do qual eles são fãs declarados) caíssem de amores pela banda nova-iorquina.

A sorte foi que Pierce levou a apresentação na palma da mão, sem parar um minuto, sempre com um pé na ponta do palco e cantando com os olhos no público, ignorando todos os ruídos e a microfonia enquanto os outros membros se olhavam preocupados como se estivessem prestes a ser devorados. A proximidade entre banda e público foi essencial para que o show não tenha sido um desastre: uma pista vip vazia ali na frente seria fatal.

O setlist percorreu as melhores músicas do disco The Drums, duas músicas que só saíram no Summertime! EP, e duas músicas novas (as ótimas What You Were e Money). O estilo “divertido mas melancólico” do The Drums teve seu ápice quando Pierce anunciou Best Friend como “uma música que fiz pra um amigo que morreu” e foi acompanhado por gritos de felicidade do público.

O melhor momento do show foi o final da primeira parte embalado por Let’s Go Surfing, quando os problemas no som deram um tempo (apesar de terem voltado com força total no bis) e o público cantou, pulou e se descabelou mantendo a energia durante Submarine e a épica Forever and Ever Amen.

O final com a tristonha Down by the Water que termina 500% mais pesada do que começou levou o público ao delírio e foi cantada em coro por todo mundo apesar de não ser um dos hits do The Drums (e isso prova que a banda já tem uma fanbase forte por aqui). E assim terminou um show que tinha tudo pra ser um dos melhores do ano mas foi prejudicado por algo que poderia ter sido evitado e consertado nas duas horas que o palco ficou vazio e intocado até o show começar. Longe de procurar culpados só resta admitir que foi mesmo uma grande pena.

Set list:

What You Were
Me and the Moon
Best Friend
I Felt Stupid
Book of Stories
It Will All End In Tears
Money
I Need Fun in My Life
Let’s Go Surfing
Submarine
Forever and Ever Amen

(Bis)
Skippin Town
The Future
Down by the Water

Talvez você também goste...

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *