Fefito deixa a ‘Folha’ para apresentar programas na rádio ‘Jovem Pan’

Fernando Oliveira, o Fefito, deixa de ser colunista da “Folha de S. Paulo” e “Agora São Paulo” para integrar o time de apresentadores da rádio Jovem Pan. O jornalista fará parte da bancada fixa do “Morning Show” (apresentado diariamente por Edgar Picolli) e terá um programa para chamar de seu, em breve. No entanto, o convidado do podcast Aos Cubos de número 74, que foi ao ar nesta semana, permanece no vespertino “Mulheres”, na TV Gazeta, ao lado de Regina Volpado.

“Eu tomei uma decisão que muita gente vai achar controversa. Todo mundo acha que é uma rádio de direita e, de fato, é. Mas eu tenho um lema de vida, que é importante ocupar espaços. Eu não deixo de ir onde me chamam e onde posso falar com pessoas que, normalmente, não me ouviriam. Vai ter uma bicha nordestina militando na Jovem Pan”, defende. O programa solo ainda não tem nome e o formato está em desenvolvimento. Ele terá liberdade para dizer o que quiser. “Eu acho que, se é para meter a cara. que seja para fazer a diferença”.

O jornalista ainda falou sobre sair do armário, a relação com a família, abusos e amores. “Quando a gente faz as pazes com essas feridas, sem vingança e com muita terapia,  entende que a gente não tem culpa pelo que acontece, passa a viver melhor. Acho que ainda sou uma pessoa muito culpada. Vejo que as pessoas fazem coisas muito errada comigo, do meu ponto de vista, e ainda assim me acho culpado. Poderia ter feito mais, melhorado mais. Aos 35 anos, com carinha de 25, estou tentando me reconciliar comigo mesmo”.

Solteiro, o jornalista disse querer sua minha felicidade sozinho, sem depender de ninguém e continuar provendo para sua família. “Para quem veio do nordeste, onde as pessoas não tem água, é muito difícil ver alguém passando necessidade e baixar a cabeça. Todo meu trabalho e meu dinheiro é para ajudar minha família do jeito que eles têm me ajudado hoje em dia, me apoiando com tudo. Eu falo de sexo com a minha mãe. Ela pergunta tudo que não devia, e tá tudo certo”, pontua.


Atenta! Duda Beat, Bedi Beat!

Livro: Revolucionário e gay: a extraordinária vida de Herbert Daniel – Pioneiro na luta pela Democracia, Diversidade e Inclusão (autor: James Naylor Green)

Dancing Queen, série da Alyssa Edwards na Netflix

Sophie – It’s Okay to Cry

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *