SILVA quer ficar longe de carão e diz que enjoou de nude: "recebi tanto"

Lucio Silva de Souza, ou simplesmente SILVA, é o convidado do podcast esta semana, encerrando nossa primeira temporada. O músico acaba de lançar um disco em que canta clássicos de Marisa Monte. Inclusive, ele contou com exclusividade que o lançamento do show no Rio de Janeiro, programado para 2017, terá a participação da musa. O cantor ainda apresentou duas músicas em versões acústicas: “12 de Maio” e “Feliz e Ponto”.

Por conta da produção do disco e divulgação do álbum, além de ensaios do novo show, o artista que ainda mora em Vitória (ES) esteve em SP durante algumas semanas e se viu incomodado pelo carão e o clima blasé. “Gosto dessa coisa tão rara, que é estar no meio de amigos, às 4 da manhã… tenho saído muito em SP e odeio carão. Não tenho paciência”.

img_0170Respondendo se preferia Black Tie ou Nude, ele diz que começaria em um, terminaria no outro. “Eu enjoei de nude, recebi tantos esse ano… no Snap, recebi alguns incríveis, outros nem tanto. Acho legal essa coragem (de mandar foto). Eu demorei muito pra mandar. Viajando, você tem que manter o interesse. Nude é uma coisa que banaliza. Parece que com esse discurso você não manda porque não está com o corpo em dia. Mas até corpos incríveis enjoam”, diz ele. “Sinto falta dessa naturalidade. Às vezes, você bate o olho em alguém e ela é tão incrível, tem a auto-estima tão grande, que vale mais do que um corpo com 0% de gordura”.

Se tivesse de escolher algum artista para homenageá-lo, ele brinca, definiria Ludmilla. “Meu sonho. Sério, ela é mais legal que as outras cantoras porque tem uma parada assim (meio high/low). Do lado da minha casa em Vitória tem funk, escola de samba (Pega no Samba), que é um inferno. Igrejas evangélica e católica, terreiro. É uma bagunça. Quando ela lançou ’24 Horas’, aquilo tocava em todos os cantos. Até minha avó cantava. Ela tem uma parada do gueto, baita compositora e canta pra c… Ludmilla, sou seu fã”.

O cantor falou que detesta ter de responder suas influências musicais e ainda revelou que sua diva pop favorita é Amy Winehouse. Ele prefere Britney Spears a Christina Aguilera e demorou a aceitar e gostar de Ariana Grande. Se pudesse escolher um superpoder, gostaria de poder ler os pensamentos. “Entrar na mente e descobrir o que as pessoas pensam é mais legal (do que flutuar)”, analisa. Ainda que não seja um bom chef de cozinha, prepararia algo para Caetano Veloso.

Dentre todos os tipos de música, ele que tem formação erudita, odeia as de balada Gay. “Tribal é o pior gênero da música eletrônica que ja inventaram”, condena. E com quem ele tiraria uma selfie? Segundo ele, a gente vive para esperar um novo Michael Jackson. “A pessoa que mais se aproxima disso é a Beyoncé, e não tenho essa coisa de diva pop. Tenho admiração pelas pessoas cuja musica é f… Não sou fã da dancinha dela nem do figurino. E sim da sua música. Ela canta pra c…, sempre faz coisas interessantes! Os discos podem nem ser number 1, mas sempre interessantes. Se a visse ao vivo, ia pagar muito pau. Kanye West não ia falar porque acho ele escroto, apesar de ser fã”.

Leia mais

Capital Cities celebra anos 80 com show agradável, em SP

[pullquote align=”right”] Confira trechos do único show do Capital Cities em SP no Instagram (@aoscubos) [/pullquote]Capital Cities fez show para os olhos e ouvidos ao celebrar os anos 80 no Citibank Hall, nesta terça-feira (02.12), em São Paulo. Em aproximadamente 1h30, o duo americano revisitou Madonna, Sinéad O’Connor, Bee Gees, Michael Jackson e ainda tocou duas vezes seu mega hit “Safe and Sound”. O show começou praticamente no horário estabelecido, às 21h33 (3 minutos toleráveis de atraso).

[alert type=”info”] Fotos exclusivas, gentilmente cedidas por Rafael Koch Rossi[/alert]

Apesar de não mudar uma vírgula do setlist tocado no Chile, a dupla indie de Los Angeles (Estados Unidos) fez de tudo pra agradar: tentou falar português e ainda ensaiou alguns passos de dança com os braços – de dar inveja a Britney Spears. A iluminação foi capítulo à parte e a não-separação do público entre pista VIP e comum deu um ar homogêneo à casa, que estava longe de ficar lotada.

DSC_1087

O trompete foi a principal muleta da apresentação: esteve presente da primeira à última música, mesmo que uma ou outra tivesse uma levada mais electro pop atual. No entanto, o instrumento foi determinante para essa ambientação oitentista.

Ryan Merchant e Sebu Simonian (o barbudo) deram, novamente, uma aula de dança para os paulistas: fizeram a plateia ir de um lado para o outro, bater palmas e ainda dar rodopios. Simonian foi clichê ao levantar a bandeira do Brasil em “Staying Alive” e ainda disparou: “Hoje é dia de rock, bebe”, frase de Christiane Torloni no Rock in Rio. (Relembre!)

Nos primeiros acordes de “I Sold My Bed, But Not My Stereo”, a plateia já sabia que essa seria das mais animadas. Até quem não conhecia a letra, se rendeu ao refrão repetitivo. Nessa hora, Ryan pediu para que o público colocasse as mãos para cima e perdesse o juízo. Pedido atendido! “One Minute More” é aquele tipo de música que você para e pensa: hum, conheço de algum lugar. E lembra que é da trilha sonora de “Homem de Ferro 3”. Antes do bis, cantaram “Safe and Sound”, pela primeira vez. O duo agradeceu com “obrigado” em português mesmo o coro em massa.

Talvez incrédulos pelo sucesso que o trouxeram de volta em tão pouco tempo, entraram com câmeras em punho, gravando a reação da plateia. Afinal, eles estiveram por aqui no Lollapalooza, em março deste 2014. No bis, tocaram: “Farrah Fawcett Hair”, “Nothing Compares 2 U” (de Sinéad Connor), “Holyday” (de Madonna) e mais uma vez “Safe and Sound”. Agora um remix. Terminaram, pedindo para o povo tirar os casacos e rodopiá-los no ar. Bem, poderiam ter parado antes desse momento. Faltou pedirem à plateia gritar: u uhu… ai ai ai ai ai. Ainda bem que as luzes cerraram por ali.

[hr]
[button link=”#” size=”medium”]VEJA MAIS FOTOS DA APRESENTAÇÃO:[/button]

Leia mais

Dia das Crianças pra relembrar a infância de Britney Spears a Hanson

Hoje é Dia das Crianças e, inspirado pelas carinhas da infância no Twitter e no Facebook (inclusive a minha!), resolvi vasculhar os arquivos de vídeo no YouTube e tirar da minha memória (e do Google, por que não!?) quais artistas tiveram sua carreira iniciada quando pequenos para poder elencar aqui no post. Um trio sempre lembrado por ter começado no “Mickey Mouse Club”, da Disney, puxa a lista: Justin Timberlake (ex-N’Sync), Britney Spears e Christina Aguilera.

Leia mais

E se com o fim de 'Harry Potter' os atores virassem capas de CD

Com o fim da saga do menino bruxo nos cinemas, fincado com a estreia de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2, o site americano Next Movie resolveu fazer uma brincadeira com o que os artistas fariam depois do término da saga. E publicou uma homenagem com uma série de capas de CD “estreladas” por atores do último Harry Potter: já pensou se Ron virasse o David Bowie? O exército de Voldemort montasse uma banda como The Ramones? Dobby na trupe de Queen? Bom, nós do Aos Cubos juntamos as capas originais e as montagens e você tira suas próprias conclusões se essa turma se daria bem como astros do rock.

Leia mais

Um ano sem Michael Jackson em cópia, passinhos e homenagens

Todo mundo já sabe que, há um ano, Michael Jackson deixou um vazio no mundo pop. Ele encerrou um reinado para ficar eternizado, e um legado para as gerações seguintes.

Para o resto da vida, você vai se lembrar onde estava e o que fazia no anúncio de sua morte.

Nesse post, reunimos quem copiou o artista e quis homenageá-lo, fazendo versões para suas músicas e clipes.

  • ‘Baby’, de Justin Bieber, é cópia de ‘The Way You Make Me Feel’

Aquela velha história da conquista ‘pop’: o cara tá afim da mina, sai atrás dela, ela não quer nada, esnoba, ele canta e dança, ela cai na lábia… Veja o vídeo comparando os dois clipes na montagem do Portal R7:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=NaeRYCvUC1U]

  • Phill Collins e a paródia de ‘Black or White’ no clipe do Genesis

Em Black or White – que tem a participação do então ator-mirim Macaulay Culkin, Michael protagoniza dancinha ao lado de pessoas de diferentes etnias. Ele faz um solo desengonçado que não chega aos pés do momento #vergonhaalheia de Phill Collins e sua paródia no vídeo abaixo. A partir do minuto 4:16, Collins incorpora o astro e manda ver:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=uBhCiu3qLy0]
  • Pomplamoose deixa ‘Beat it’ mais indie

Esqueça a megaprodução do Rei do Pop. Imagine um clipe ‘bem feitinho’, produzido em casa, e ainda assim surpreendente. A banda Pomplamoose, da vocalista Nataly Dawn (mescla de Dido com La Roux) conseguiu deixar ‘Beat It’ numa versão mais lenta pra indie nenhum botar defeito.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=meT2eqgDjiM]

  • Presos e Garner  fazem coreografia que revolucionou o videoclipe

Só no upload original, o vídeo de ‘Thriller’ que reúne 1.500 presos filipinos – e seus uniformes laranjas – já foi visto por 42 milhões de pessoas ao redor do mundo. Baita homenagem! Mas há uma cena de filme que me marcou mais do que ver essa galera toda reunida.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=hMnk7lh9M3o&feature=player_embedded]

Há uma cena em “De repente 30” em que a personagem de Jennifer Garner chama um povo pra dançar, e muita gente fica com vergonha porque sabe a coreografia. (Ê geração Anos 80!)

E faz pensar: foi com base nesses passos que  artistas pop da atualidade, como os Justins Bieber e Timberlake, Britney Spears, Madonna e Lady GaGa se inspiram e trazem, em cada clipe, novas danças – que depois viram diferentes virais pela internet e motivo de premiação em canal brasileiro.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=hhbYxXg7p-A&feature=related]

Leia mais